Guia prático: aprenda a criar um roteiro de viagens inesquecível

Guia prático: aprenda a criar um roteiro de viagens inesquecível.

1. Introdução

Viajar é sempre uma experiência enriquecedora — dizem, inclusive, que é o único gasto que, ao invés de no empobrecer, nos torna mais ricos. Quando começamos a planejar uma viagem na nossa cabeça, tudo é perfeito e não há contratempos, não é mesmo? Porém, na prática, uma viagem desorganizada pode se tornar uma grande dor de cabeça.

Por essa razão, é preciso ir além dos sonhos: é preciso colocar os seus planos no papel e se preparar para cada detalhe importante. Confira o nosso guia prático e aprenda a criar um roteiro de viagens completo e inesquecível!

2. Entenda a importância de um roteiro de viagem

importância de um roteiro de viagem
Um roteiro bem-feito garante mais organização, segurança e menos contratempos, fazendo com que a sua viagem saia exatamente como o planejado — e, quem sabe, até melhor do que o esperado!

Além de aproveitar o seu destino com mais tranquilidade, ao se programar com antecedência é possível economizar tempo e dinheiro, se prevenir contra imprevistos e conferir detalhes importantes que, muitas vezes, são deixados para a última hora — como o câmbio, a documentação exigida no país de destino, o orçamento, a logística, a época do ano etc.

Para não deixar nada de fora, é importante estudar bem o destino e traçar um roteiro certeiro!

3. Criando um roteiro de viagens

Agora que você já sabe qual é a real importância de planejar um bom roteiro de viagem, daremos algumas dicas de como criar o seu e ter uma experiência inesquecível.

O segredo é não deixar para se organizar em cima da hora. Comece o planejamento com muita antecedência — cerca de 6 meses para viagens mais longas ou para fora do país, por exemplo — para que você tenha tempo suficiente para preparar a documentação necessária, juntar algum dinheiro e escolher os lugares que quer visitar.

Pesquisar é a palavra-chave para montar um bom roteiro de viagem. Use os recursos da internet, como aplicativos de planejamento, buscadores, sites especializados em passagens aéreas e hotéis, blogs com dicas para viajantes, sites do país de destino etc., para reunir o máximo de informações relevantes.

Com todas as ferramentas necessárias em mãos, é hora de partir para a ação! Veja o que não pode faltar na hora de criar o seu roteiro:

3.1 Defina o objetivo da viagem

Defina o objetivo da viagem
Na hora de elaborar um bom roteiro, tão importante quanto definir o destino, é pensar em qual é o objetivo da sua viagem. Essa pode parecer uma etapa dispensável, mas é a partir desse ponto que serão definidos todos os detalhes — do destino aos pequenos passeios.

Você está planejando uma viagem sozinho ou com a família? Um mochilão por vários países ou semanas de sossego no interior? Você pretende curtir uma praia ou aprender a esquiar? Quer se divertir nos parques da Disney, fazer uma imersão cultural na Europa, aprender um novo idioma?

A finalidade da sua viagem interfere em todos os outros pontos do planejamento do roteiro: a quantidade de dinheiro que você precisará, as atividades que deseja realizar, os lugares que quer conhecer, o tempo de permanência no local e até a documentação necessária (como é o caso do visto para estudantes em alguns países, por exemplo).

Leve sempre em consideração a quantidade de pessoas que farão a viagem e o perfil de cada um para traçar o objetivo. É importante que todos possam se divertir e descansar, independentemente da idade.

3.2 Escolha a melhor época

Escolha a melhor época
Com o destino e o objetivo da viagem já definidos, é hora de escolher a melhor época para viajar. Para isso, pense nas atividades de gostaria de fazer e confira como estará o clima no local de destino no período em que você pretende viajar. Fique de olho nas previsões meteorológicas, se há temperaturas extremas, se o clima é estável, se há possibilidade de neve no local, dentre outras coisas.

Lembre-se de que, no hemisfério norte — como é o caso dos Estados Unidos e dos países da Europa —, as estações do ano são diferentes do hemisfério sul. No mês de julho, por exemplo, é Inverno no Brasil e Verão na Europa. No entanto, não se esqueça de que as temperaturas em alguns países costumam ser bem mais baixas mesmo nos períodos mais quentes do ano.

Durante o inverno rigoroso, evite as cidades muito pequenas. É comum que os habitantes locais evitem sair nas ruas e, muitas vezes, o comércio fecha mais cedo do que o normal por conta do frio. Nas grandes cidades e capitais, você terá mais opções de hospedagem, lazer e alimentação nessas épocas.

O clima tem influência também na bagagem. Saber de antemão qual é a previsão do tempo no período escolhido para viajar é importante para definir os itens a serem levados na mala, o que ajuda a evitar o excesso de peso ou os gastos desnecessários com roupas a mais, por exemplo.

Além disso, época do ano interferirá no orçamento da viagem: em períodos de alta temporada, passagens aéreas e a hospedagem têm um aumento significativo no valor. Se possível, aproveite para viajar em épocas menos “concorridas” — além de economizar, você evitará as filas em pontos turísticos.

3.3 Defina o seu orçamento e tempo disponível

Defina o seu orçamento
Um dos pontos mais importantes do planejamento de viagens é saber calcular a quantidade necessária de recursos — tanto financeiros quanto de tempo — para aproveitar suas férias com tranquilidade e economia.

Para isso, o primeiro passo é definir um orçamento levando em conta a sua disponibilidade financeira e quanto tempo você pretende passar viajando. O tipo de viagem que você pretende fazer também tem grande peso nessa hora: pense na hospedagem, passagens de ida e volta, locomoção, alimentação, passeios pagos, compras,  imprevistos e no conforto de acordo com a quantidade de pessoas e o destino para o qual você pretende ir.

Não se esqueça, por exemplo, de que viajar em alta temporada costuma ser bem mais caro — caso você tenha datas mais flexíveis, o ideal é evitar os períodos tradicionais de férias, como os meses de janeiro e julho.

Outro ponto muito importante é, no caso de viagens internacionais, conferir o valor da moeda local em relação ao Real. Viajar para países cuja moeda está desvalorizada — como é o caso do Peso Argentino, por exemplo — sai muito mais em conta do que optar por um destino com a moeda mais forte — como é o caso da Libra Esterlina, a moeda usada na Inglaterra.

Antes de viajar, verifique se é mais vantajoso comprar a moeda no Brasil ou no local de destino. Na maioria das vezes, é melhor comprar com antecedência, mas isso pode variar de acordo com a estabilidade da economia.

Uma boa dica para não estourar o orçamento da viagem é calcular os gastos por pessoa e por dia. Ao estabelecer uma quantia máxima diariamente, fica mais fácil controlar os gastos e até mesmo economizar — caso você tenha ficado abaixo do orçamento nos dias anteriores, por exemplo, pode se dar ao luxo de comprar algo que você tenha gostado, jantar em um restaurante especial ou guardar dinheiro para a próxima viagem!

Por último, não se esqueça de ter cuidado com o excesso de compras e lembrancinhas para parentes e amigos. Além dos gastos, os itens adicionam peso e volume na bagagem, o que pode acarretar em taxas na hora de voltar para casa.

3.4 Lembre-se da documentação

Lembre-se da documentação
A documentação é uma parte fundamental para qualquer viajante — especialmente se você pretende embarcar para destinos fora do país. Além da emissão do passaporte, muitos países exigem um visto de entrada (que pode demorar bastante para sair) e cartão de vacinação.

Dentro do Brasil e nos países do Mercosul, é possível viajar portando apenas o seu documento de identidade (RG) ou outro documento oficial com foto. Para crianças menores de 12 anos, existem regras específicas para viagens nacionais e internacionais — nesse caso, por exemplo, é preciso uma autorização de ambos os pais ou responsáveis.

Um ponto importante é sempre fazer cópias de segurança dos documentos e não andar com os originais, para evitar perdas, roubos e até falsificação. Porém, não saia por aí desprevenido e sem nenhuma identificação. Guarde os originais em segurança, mas tenha sempre cópias autenticadas com você. Caso seja possível, mantenha também versões digitalizadas em um pen-drive ou arquivos salvos em nuvem.

3.5 Conheça a importância da decupagem

A palavra decupagem é uma velha conhecida para quem trabalha com produção de vídeos, como filmes e comerciais. O termo é usado para se referir ao planejamento de um roteiro de gravação feito cena por cena.

Nesse momento, você deve estar se perguntando: e o que é que isso tem a ver com o meu roteiro de viagens? Pois bem, imagine a gravação de um comercial de 30 segundos de duração em que, no roteiro, as falas dos atores acabam ocupando todo o tempo — ou, até mesmo, mais tempo do que o disponível. O resultado seria pouco fluido, corrido e um tanto quanto confuso, você não acha?

Ao colocarmos as coisas no papel, temos a tendência de ignorar a quantidade de tempo disponível e adicionar o máximo de coisas quanto for possível, comprometendo a execução do roteiro. Por essa razão, o planejamento deve sempre levar em consideração uma certa folga de tempo.

Com o seu roteiro de viagens, a organização deve funcionar da mesma maneira. No momento de planejar a viagem, é comum que você acabe preenchendo todos os horários do seu dia com passeios e atividades — e, muito provavelmente, superestimando seu tempo e sua disposição física para cumpri-los.

Um erro comum no momento de montar o roteiro é ignorar possíveis atrasos e contratempos, o tempo gasto em filas, refeições e locomoção de um local para o outro. Além disso, por mais empolgantes e divertidos que sejam os passeios, é necessário ter um bom tempo para descansar.

Por isso, na hora de criar o roteiro de sua viagem, lembre-se da técnica de decupagem: pense em cada passeio, cada momento, como uma cena e imagine sua execução, incluindo os imprevistos. Dessa forma, você consegue ter uma visão mais realista e calcular melhor o seu tempo, evitando correria e aproveitando com tranquilidade cada atividade planejada.

3.6 Defina a forma de locomoção

Defina a forma de locomoção
Planejar os meios de locomoção com antecedência é muito válido, especialmente se você não tem conhecimento do local ou da língua ali falada —  o que se torna uma grande dificuldade para pedir informações, por exemplo.

Caso você planeje viajar sozinho, essa tarefa é bem mais fácil. É possível optar pelo transporte público (como ônibus, trens e metrô), explorar a cidade a pé ou mesmo alugar bicicleta. Nos países europeus, por exemplo, o transporte público é muito mais organizado e eficiente, evitando preocupações com segurança ou atrasos.

No entanto, se viagem for feita com crianças ou pessoas com dificuldade de locomoção, como idosos ou portadores de necessidades especiais, é necessário se planejar melhor para evitar contratempos. Pode ser interessante alugar um carro, usar serviços de táxi ou Uber.

Você provavelmente já conhece o Google Maps, o serviço de mapeamento da Google, não é mesmo? Pois saiba que ele pode se tornar o seu melhor amigo em uma viagem para destinos desconhecidos. Além de te mostrar o mapa e imagens do local, a ferramenta também te ajuda a calcular as rotas possíveis, o tempo e os meios de transporte disponíveis para cada localidade.

Além dele, existem outros aplicativos que ajudam na locomoção e, é claro, o bom e velho mapa de papel — afinal, você não vai querer ficar na mão caso fique sem bateria ou internet no seu celular.

Caso você vá visitar mais de uma cidade na mesma região, além do aluguel de carro, é possível usar ônibus ou trens. Em países vizinhos da Europa, por exemplo, também é comum encontrar passagens aéreas a preços populares, que chegam a ser mais baixos do que o valor dos trens.

3.7 Escolha os hotéis

Escolha os hotéis
A escolha do local de hospedagem varia de acordo com o seu estilo, o seu orçamento e, é claro, com a quantidade de pessoas que viajarão com você.

Enquanto algumas pessoas não abrem mão de todo o conforto de um bom hotel, outras preferem a simplicidade e a economia de um hostel ou aluguel de quartos em casas de família, por exemplo. O primeiro garante mais facilidades e privacidade, enquanto o segundo te permite interagir e conhecer novas pessoas. Dependendo do destino, o charme de uma pousada pode deixar o clima da viagem ainda mais gostoso.

Uma boa opção para quem pretende fazer uma viagem em família ou passar muitos dias no mesmo local é alugar um imóvel para temporada. Sites com o Airbnb, por exemplo, oferecem casas e apartamentos em inúmeros países, com segurança e facilidade. Nesse caso, lembre-se que as refeições feitas em casa e a limpeza do espaço ficarão por sua conta.

Independentemente do tipo de hospedagem escolhida, é necessário garantir o conforto, a segurança e a higiene do local — o mínimo para uma viagem tranquila. Para se informar sobre as opções, vá além do site do próprio hotel: pesquise em sites especializados e busque avaliações de outros hóspedes. Preze pela qualidade e não apenas pelo menor preço — afinal, um bom descanso é indispensável para aproveitar bem a viagem.

Verifique a localização do lugar em que você pretende se hospedar, a distância dos pontos turísticos que pretende conhecer, a acessibilidade e os meios de locomoção disponíveis na região.

Nessa hora, lembre-se que o barato pode sair caro: ao optar por um hotel mais distante e com preço menor, você terá de gastar mais com transporte e tempo para fazer os passeios que deseja. Faça as contas e veja o que vale a pena!

3.8 Opte pelos melhores pontos turísticos

 melhores pontos turísticos
Na hora de definir os melhores passeios turísticos, é preciso levar em conta não apenas o local e o orçamento, mas também o perfil de todos os viajantes. Se há crianças na turma, um museu muito parado pode não ser a melhor escolha, que tal optar por algo mais interativo? Longas caminhadas também não são indicadas para os pequenos ou para pessoas com dificuldade de locomoção.

Faça uma pesquisa prévia e peça dicas a amigos que já estiveram no local e que tenham o mesmo perfil que você. Muitas vezes, é possível encontrar pontos muito interessantes e pouco conhecidos pelos turistas, o que ajuda a evitar as grandes filas. Ler sobre a história do local também é uma boa forma de descobrir mais sobre a cidade e torná-la ainda mais interessante.

Alguns pontos turísticos são clássicos e, geralmente, mais cheios e mais caros. Para não perder a viagem, procure informações sobre horários de funcionamento e preços especiais — os dias em que os museus e parques têm entrada mais barata, por exemplo, ou funcionam em horários diferenciados.

Em cidades de clima instável, faça planos para dias de sol e de chuva, para não perder um dia caso o tempo decida “virar” de uma hora para outra. E lembre-se: a diversão deve ser para todos, inclusive para você!

3.9 Lembre-se do seguro de viagens


Por mais organizados que estejam todos os detalhes da sua viagem, não podemos nos esquecer de que imprevistos acontecem — e, caso você não esteja preparado para lidar com eles, todo o seu roteiro irá por água abaixo!

Acidentes, extravio de bagagem, problemas de saúde, roubos de objetos de valor e perda de documentos, dentre outras coisas, podem comprometer as suas férias, aumentar as despesas ou mesmo fazer com que você tenha que voltar para casa mais cedo. Nessas horas, é melhor não contar com a sorte e se prevenir.

A melhor opção para garantir a sua segurança é contratar um bom seguro viagem. Com ele, você evitará gastos desnecessários, estará resguardado em diversas situações e garantirá a sua entrada nos países que exigem o seguro — como a maioria dos países europeus, por exemplo.

O seguro garantirá o reembolso em caso de cancelamento ou interrupção da viagem; cobertura de despesas médicas em caso de doenças ou acidentes; assistência jurídica e todo apoio necessário em sua língua pátria; cobertura em caso de perda de documentos, roubo ou extravio de bagagens.

Procure empresas confiáveis para contratar o seguro e pesquise os melhores preços antes de fechar negócio. É muito importante estar ciente de cada detalhe do contrato e ter clareza sobre o que está ou não incluso na cobertura do seguro viagem e como acioná-lo se for necessário.

Além disso, lembre-se que, em alguns países, o custo de despesas de saúde é muito maior do que no Brasil. Ao escolher a apólice mais barata, você poderá ficar desamparado em caso de acidentes.

Outro erro comum é contar apenas com a cobertura de seguro oferecida pelos cartões de crédito. Os valores de reembolso costumam ser muito baixos, fazendo com que você fique na mão caso ocorra imprevistos. Para garantir uma viagem tranquila e sem sustos, não deixe de contar com uma seguradora especializada.

4. Conclusão

Criar o seu roteiro de viagens para garantir a sua tranquilidade. Pode ser uma maneira de se preparar e ficar ainda mais empolgado para curtir o seu destino.

Além dos pontos que citamos no nosso guia, também é importante ficar ligado na saúde, fazer um check-up médico completo antes de embarcar e atualizar o seu cartão de vacinação.

Para os destinos internacionais, lembre-se também da barreira da língua e procure aprender ao menos algumas palavras e frases básicas para conseguir se comunicar, como saudações, despedidas e pedir orientação sobre direções, alimentação etc.

Com um bom planejamento, é possível aproveitar ao máximo a sua viagem e os lugares pelos quais você pretende passar. E não se esqueça: os melhores souvenires que você pode guardar de uma viagem não são coisas, e sim os momentos e memórias.

Agora é só fazer as malas e cair na estrada! Boa viagem!

Gostou das nossas dicas de hoje? Tem alguma dúvida sobre como montar um roteiro de viagens inesquecível? Deixe seu comentário no post e aproveite também para curtir a nossa página no Instagram, Facebook e Twitter.

compartilhar no facebook compartilhar no twitter
Compre aqui seu seguro viagem
Como podemos falar com você?

Segue a gente

mautic is open source marketing automation